25/07/2014

O preço de uma lição {resenha}

Federico Devito e Gutti Mendonça, 366 páginas, editora Novo Conceito Jovem, 2011.



O Preço de Uma Lição conta sobre a vida e, mais especificamente, as relações amorosas conturbadas de um rapaz (sem nome) de 22 anos. Depois de muitas garotas, ele acaba encontrando Juliana, uma moça mais nova, com seus 15 anos, e enquanto todos parecem colaborar para o término de seu relacionamento eles mostram que o amor verdadeiro pode sim, enfrentar todas as barreiras que surgem pelo caminho: familiares, amigos, diferença de idade e distância.

"Tem um ditado que diz que o amor é cego. É justamente o contrário. Quando você ama de verdade, é capaz de ver coisas que ninguém consegue. Falam que você não consegue enxergar os defeitos, pura mentira também! Você vê, estão todos lá. Mas vê também algo que só você pode, como lidar com eles e contorná-los. Então, o amor não é cego, ele é a maior lente de aumento que já inventaram."

Não posso falar mais sobre o livro porque ele é só isso. Apenas isso. Gosto muito de livros com romances adolescentes, daqueles que nos fazem suspirar e sonhar em viver amores bonitos, mas além disso, o livro tem que ter um conteúdo extra, algo que, de vez em quando, tire o foco do casalzinho apaixonado e impeça a trama de ficar monótona. Mas O Preço de Uma Lição não tem esse “Q” a mais e então se torna extremamente maçante, chato, cansativo.

“- Tem vários motivos para você não ficar com ela.
- Enquanto existir um motivo para ficar com ela, prefiro apostar neste motivo”

A gente até tem esperança de que tudo mude no capítulo seguinte, mas não acontece nada de surpreendende durante as 366 (quase 400!) páginas e mal dá vontade de prosseguir a leitura. As atitudes infantis do personagem e a vontade dele de fazer tudo o que a namorada quer dá vontade de dizer “blé!”. É tudo muito meloso e irritante e pelo amor de Deus, que nunca apareça um cara assim na minha vida!

“Naquele momento, percebi que era preciso muita coragem para amar uma pessoa, coragem que não vem de si mesmo, mas é transmitida por quem amamos. Quanto mais correspondido é o seu sentimento, mais valente nos sentimos. Porém, se não conseguimos perceber esse sentimento retornar, mais amedrontados ficamos e menos vontade temos de cultivá-lo. É muito mais difícil dizer “eu amo você” quando se ama de verdade. Precisaria de toda a coragem do mundo para dizer aquilo, mas, felizmente, toda coragem do mundo estava comigo.”

Não sei se por ser o romance de estreia dos garotos (é?), mas achei a construção da narrativa muito, muito fraca. Essa vontade de criar um personagem por quem ~todas as leitoras se apaixonariam~ foi, de fato, uma tarefa falha. E olha que eu comecei a leitura com a mente suuuuuuuper aberta e quase sem nenhuma expectativa! De uma leitura arrastada e personagens irritantes, apenas o que salva, são algumas frases bonitinhas. Enfim, O Preço de Uma Lição é um livro que, desculpem os fãs, eu não recomendo.


“Obrigada. Obrigada por tudo que você faz por mim. Obrigada por me entender, por me respeitar. Obrigada por criar tantos momentos especiais para mim. Obrigada por ter entrado na minha vida, ter me feito conhecer esta pessoa que você é. Obrigada por me mostrar que a vida pode ser muito melhor junto de alguém que a gente ama. Você é muito especial para mim, nunca imaginei que iria gostar tanto de você. Quanto mais tempo eu passo com você, mais me encanto. Você é a melhor pessoa que já conheci. Você vai fazer amigos por onde passar, encantar muitas meninas, por aí, e saber que você está comigo só me faz sentir a pessoa mais sortuda do mundo! Obrigada por me ensinar o que é amar de verdade. Eu te amo. Eu te amo muito.”
22/07/2014

Lendo com a Lari #04

Gravado há muito, muito, muito tempo (repara nas estantes, só pra você ter uma ideia), a Lari fala sobre o livro "Qual é sua cor?", escrito por Angela Leite de Souza e publicado pela editora Mundo Mirim, cuja abordagem se volta para crianças entre 5 e 8 anos. Esperamos que gostem do vídeo! 

15/07/2014

Na Prateleira #67

Há mais de uma semana postei o vídeo dos recebidos de Junho lá no canal do youtube e até então achei o que já tivesse feito um post aqui no blog também: engano meu! Só hoje percebi que o vídeo ainda não estava aqui então esse post (um pouco atrasadinho) tá saindo quase no meio do mês. Desculpem o engano e aproveitem o vídeo - e ignorem minha cantoria no comecinho. 

08/07/2014

Todo o meu amor é teu

De preferência, leia ouvindo essa música.

O sol brilhava no céu enquanto as ondas quebravam lentamente ao longe. Era uma terça-feira, férias de verão. Depois de um ano inteirinho focados nos estudos, eles mereciam um descanso, e decidiram viajar, em turma, para a cidade vizinha litorânea, onde vários jovens iam no final do ano. A turma tinha combinado um luau para aquela última noite, mas desde quando chegaram, Milena já havia planejado tudo. Ela queria que tudo fosse perfeito, como nos livros: desde as primeiras trocas de olhares, até os futuros (e muito esperados) beijos.

Faltando menos de uma hora para o luau, ela se apressou e colocou o vestido branco de rendinhas. Prendeu o cabelo num coque desajeitado propositalmente e enquanto caminhava pela areia da praia, repassava para as amigas o que já havia combinado. Todas concordaram em ajudar e quando Milena desviou os olhos pela praia, pôde ver ele, Eduardo, olhando fixamente para ela. Ruborizaram. Guiados pelo som do violão, a turma foi se sentando em uma roda e Milena, discretamente, piscou para o cantor do grupo, que puxou a música favorita de Eduardo.

“Meu amor é teu...”

Milena dirigiu seu olhar para Eduardo que, ameaçou sorrir, mesmo debaixo daquele orgulho todo. No mesmo instante em que o verso seguinte começou, chegou às mãos dele o primeiro bilhete:

“Mas dou-te mais uma vez.” - dizia a música

“Me desculpa” - o bilhete.

Logo seguido do próximo bilhete: “Eu pus tudo a perder porque tive medo do que estava acontecendo. Era tudo novo e diferente pra mim, sabe? Eu não queria que nossa amizade acabasse por bobeira minha, por um sentimento que nem poderia ser correspondido. Naquela noite, quando tudo aconteceu, eu estava de cabeça quente, mas fui embora de coração partido. Foi como se uma parte de mim tivesse ficado pra trás no momento em que eu disse que não queria ser mais sua amiga.”

“Todo o teu amor eu vi de longe....”

“Mas a verdade, Edu, é que eu não quero mesmo ser sua amiga. Não só sua amiga. Nem acredito nesse lance de destino, mas sei lá, parece que ele conspirou pra isso acontecer. Senti que de uns tempos pra cá, isso que eu sinto por você evoluiu de uma maneira tão diferente, tão intensa. Eu sinto tanto a sua falta... Eu tô gostando de você, gostando de verdade.”

“Dava pra sentir o teu perfume,
eu juro, eu juro...”

“Volta pra mim.”

Ela não conseguiu acreditar quando o viu se levantar, aproximando-se dela e cantando, baixinho, outro verso da música.

“Saudade é pra quem tem.”


Eduardo ajoelhou-se na frente de Milena, enlaçou os dedos dela com os seus enquanto dava um de seus mais abertos (e emocionados) sorrisos. A música continuava, enquanto os olhares da turma toda concentravam-se ali, no futuro casal. Eduardo se inclinou e, naquele momento, eles não sabiam se deviam se entregar ao beijo, aos sorrisos ou às lágrimas. Era confuso e intenso demais. Era amor demais.


 

Primeiro Livro © 2013 - Todos os Direitos Reservados. Amanda Cristina