Tudo o que a gente teve


Olha nos meus olhos e diz mais uma vez que me ama. Diz daquele jeito que só você sabe dizer, fala com os olhos, com a alma, com o coração. Diz que tudo o que a gente teve foi lindo, que você também vai levar no peito as boas lembranças e jogar pra fora da cabeça o que nos foi motivos de lágrimas. Deita aqui no meu abraço e nem que seja essa a última vez, me diz que valeu a pena. Porque do lado de cá, nesse coração que pulsa cheio de saudades, eu te digo que valeu demais. Cada amanhecer ao seu lado, cada sorriso bobo, cada abraço que você me pedia depois de ter insistido uma vida em assistirmos aqueles filmes de terror. Valeu por cada brigadeiro de panela, por cada birra que você não aguentava levar por mais de três minutos e voltava de sorriso amarelo pedindo mais um beijo. 

Ah, se você soubesse como me completou. Você fez transbordar a parte mais bonita que existia em mim, me fez enxergar o mundo por outra perspectiva e, mesmo que de ponta cabeça algumas vezes, valeu a aventura e o frio na barriga. Você me mostrou que o amor, aquela palavrinha que a gente vive falando que é linda mas morre de medo de viver, é a escolha mais arriscada que a gente pode fazer. Eu escolhi você; nós nos escolhemos e por todo aquele tempo fomos um só. 

Hoje eu junto todas essas lembranças enquanto dou mais um gole no copo de coca e como um pedacinho daquele chocolate que você dizia ser seu favorito - e já adianto as desculpas, mas agora é o meu também. Esses dias eu percebi que tudo o que a gente teve foi lindo. Tão lindo quanto o final daquele filme que você assistia todo começo de ano. Tão lindo quanto seu sorriso num dia nublado. Tão lindo que me deixa uma saudade apertadinha no peito, mesmo que eu saiba que a gente não vai se encontrar novamente. Deixa aquela saudade gostosa, que lembra que um dia vivemos algo muito bom. Hoje eu te agradeço por essas lembranças, te agradeço por mostrar que mesmo depois de um “adeus”, o amor pode continuar existindo em toda a sua singularidade. 

Obrigada por ter me amado também.

Pra terminar esse domingo eu só quero você comigo


Vem, mas vem logo que eu não tô com vontade de esperar. Não precisa nem tirar essa roupa de ficar em casa porque você sabe o quanto eu amo te ver assim, sendo você. Vem com os cabelos desgrenhados, com os olhos ainda fechados após acordar com o beep dessa mensagem. Pra terminar esse domingo eu só quero você comigo. Aqui, juntinho, mostrando ao mundo o que é o amor.

Depois do almoço tirei aquele cochilo de sempre, vi um ou dois capítulos daquela série que nunca chego ao fim, mas o coração clamou por cafuné antes da semana começar. Você sabe que é meu alvo principal, a vítima pra quem meus dedos bêbados sempre mandam mensagens sem nexo algum. Foi você que roubou um pedacinho especial aqui dentro, bem onde fica o que chamam de coração. Ah, mas vamos deixar de bobagens e papo furado, porque eu tô louca pra te ver. A gente compensa esses dias vazios e essa semana incolor com todas as palavras e as cores que um beijo ou uma troca de olhares pode trazer.

Vem logo que eu já não aguento esperar. Daqui a pouco vou ser conhecida como a louca da cidade se, do nada, resolver descer essas escadas e for no portão te gritar. Eu até prometeria uma serenata, porque por você qualquer loucura vale a pena, mas eu prefiro te ter no silêncio, no escuro, de mansinho. Mas, ei, não demora. Pega um casaco. Vai que decide fazer frio nessa cidade que nunca sabe o momento de ser inverno ou verão, e durante o caminho até minha casa lembra (e relembra e trelembra) que pra terminar esse domingo, eu só quero você comigo.

Eu amo você.

Amar é estar


É engraçado como as pessoas às vezes esperam tanto das outras. Idealizam todo um amor, a estalo dos dedos, mas não estão dispostas a dar nem um passo de olhos vendados. A gente quer amor, amor de verdade, bem naquele estilo dos filmes estrangeiros, mas morre de medo de um relacionamento sério. Queremos que o outro se entregue sem nem pestanejar, que esteja disposto a compôr músicas de amor e mandar flores nas datas especiais, mas não tem coragem (ou vontade) de chamar para um jantar a dois. Não convida, não fala, não ama.

Amar é um dar de mãos ao fechar os olhos. É esperar do outro mas não ter medo de se doar também. Amor não é idealização, não é mensagem no Whatsapp dizendo que está com saudades; é interfone tocando no meio da madrugada dizendo "não aguentei esperar até semana que vem, abre pra mim". Amor é surpresa, é carinho, é demonstração. Amar é estar.

Todos os dias eu deito e penso quantos amores-desamores existem por aí. Às vezes a gente mesmo espera ou vive em um sem nem mesmo saber. Se está confortável aqui, pra que mudar ali? Mas um relacionamento se dá exatamente nisso: no ver diferente, no saber mudar, no querer melhorar. Se é pra deixar estagnado, que não seja dito amor em vão.

Porque eu, depois de tantas desilusões, já não tenho mais tempo para amores unilaterais.

Solte as borboletas que te sufocam


Ei, moça, deixa essas borboletas do teu peito voarem pra longe. Um dia, bem lá atrás, elas estiveram no estômago, eu bem sei. Mas hoje estão presas aí em cima, feito nó na garganta que a gente prende com medo de gritar. Com medo de alguém ouvir. Calma, eu sei que é complicado se desapegar assim. Mas vai aos pouquinhos, no teu ritmo, mesmo que uma a uma. Elas estão tão tristes e você,... tão vazia. Ele, que fez mil juras de amor e prometeu te preencher, se foi sem nem um beijo de despedida.

Sem nem um aperto de mão.

Deixa para trás o que tem que ficar no passado e pare de insistir no que já acabou. Seja você a borboleta dessa vez. Abre essas asas coloridas e voe o mundo! Agora você é livre e vai conhecer mil amores. Ok, talvez não sejam sempre aqueles amores de filme (aliás, pare de acreditar que amor verdadeiro é aquele ideal dos filmes americanos, quando é amor verdadeiro a gente só sente, mesmo que com um defeitinho aqui e outro acolá), mas aproveite cada beijo, cada toque, cada carinho.

Apaixone-se pela vida outra vez.
E por você.

Aproveite porque a vida é breve,
e o nosso amor é infinito - só não deve pertencer a quem não retribui

Março e Abril, 2016


Depois de um pequeno atraso, finalmente o DYL de Março e Abril está no ar. Restinho de férias, volta às aulas e uma viagem para Ouro Preto resumem a correria (e a delícia) que foram esses meses. Dá o play pra conferir tudo o que rolou do lado de cá! :)